Levantamentos com Utilização de VANT's e Drones

Os Drones ou Vants como são popularmente conhecidos, constitui-se de máquinas robóticas que podem voar, navegar ou andar em solo. O nome foi batizado pela tradução do som emitido pelo zangão, traduzido para o português Drone. Estes equipamentos estão inseridos em praticamente todas as áreas, por exemplo: Cartografia, Fotogrametria, Sondagens, Ambiental, Cadastro Técnico multifinalitário, entre outras. Sua versatilidade em capacidade de carga e mudança da plataforma embarcada, permite desde câmaras fotográficas analógicas e digitais mais simples até multiespectrais, fornecendo a informação necessária para o trabalho programado.

Fotografia obtida a partir de VANT
Fotografia obtida a partir de VANT

 

Planialtimetria para loteamentos urbanos

A planialtimetria com Vants e Drones tem se consolidado no mercado da topografia, pois permite maior agilidade na obtenção tanto do Modelo de elevação (forma do terreno local) como no modelo do terreno (tudo o que está sobre o terreno). A rapidez e acurácia permite com os pontos de controle de campo atingir precisões planialtimétricas na ordem de centímetros, para a execução de projeto de terraplanagem, mensuração, loteamento, abertura de vias e tem ainda como vantagem fornecer uma imagem atualizada e temporal da data do levantamento.

 

Planialtimetria em áreas Rurais

Nas áreas rurais o levantamento plani-altimétrico nos métodos tradicionais (topografia) é moroso e de custos elevados, com esta tecnologia permite levantar grande áreas rapidamente, fazendo decrescer os custos. Utilizado na conservação dos solos permite o planejamento e execução de forma toda robotizada das curvas de nível e terraços, diminuindo os custos de implantação a campo. Esta tecnologia também está disponível para os projetos de açudes e barragens, gerando diagrama de volumes da área alagada, volume de terra do maciço e todos as informações pertinentes ao projeto rápido e preciso.
 
Aplicações: Projetos de irrigação, Drenagens, construções de Terraços de base larga e curvas de nível para a lavoura arrozeira.

 

Saúde da Vegetação

As lavouras exigem cada vez mais a antecipação das informações para realizar as intervenções frente a pragas, fungos, déficit hídrico, estimativa de produtividade e deficiência de minerais. Existem vários índices de vegetação e cada qual uma informação para cada diagnóstico. A tecnologia utilizando câmaras multiespectrais disponibiliza o NDVI (índice de vegetação normalizada) onde se observa rapidamente e georreferenciado os problemas advindos de deficiência nutricional, hídrica ou stand de plantas. Outro índice utilizado é o NDRE (índice de vegetação normalizada na borda do vermelho). Para culturas saudáveis a efetiva absorção da clorofila ocorre entre 600-700 nm, que ainda pertence a região do visível dentro do espectro eletromagnético, mas entre 700-800 nm a refletância aumenta acentuadamente, formando uma borda íngreme e quase reta, ele é chamado de "borda do vermelho". A investigação mostra que a posição da "borda do vermelho" baseia-se no teor de clorofila e a quantidade de biomassa, que se deslocam ao longo do eixo da onda. Quando o teor de clorofila colheita é alta, "borda do vermelho" irá se mover para a direção de onda longa, ele é chamado o desvio para o vermelho, conforme figura abaixo.

 


NDRE

NDVI

 

VARI

O índice resistente a atmosfera na região do visível está alcançando grande difusão no meio agronômico, pois permite analisar a saúde da vegetação com câmaras comuns, que são mais acessíveis, as pesquisas ainda estão incipientes, mas até o presente momento as correlações deste índice com o teor de clorofila são animadoras para a prevenção da lavoura.


Imagens na região do visível (RGB)
 


Imagens após a geração do índice VARI.